segunda-feira, setembro 22, 2008

Mamma Mia



O filme vale pelo solo desafinado da minha actriz preferida. No fim da sessão, baralho o calendário e tenho dúvidas existenciais. Uma música escrita nos anos 60 que antevia um final de Verão do século XXI? Premonição ou repetição de vidas, situações e sentimentos? O egoísmo vence e escolhe a primeira opção. Esta história é única, irrepetível.

4 Comments:

Blogger Marta said...

A confluência perfeita, uma GRANDE actriz, um Pierce Brosnan lindo de morrer, uma paisagem a perder de vista e....uma letra...enfim!! Palavras para quê?! The winner takes it all.

Beijos Amiga.

2:19 da tarde  
Blogger Ala de colibri said...

Es cierto, es curioso que una historia de los años 60 guarde sentido en estos tiempos, será que hay cosas que no cambian. Las relaciones humanas siempre han sido complejas.
La actuación de Meryl Streep es fabulosa... mmm apesar de ser una peli de verano me emocionó muchísimo.
Beijos mi querida Ana.

4:30 da tarde  
Blogger pedro said...

Proximo destino... Grecia! Sempre com bom feeling para aproveitar as coisas boas da vida hein Cat?

Bj,

p

2:21 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

as estórias repetem-se ao longo da história, apenas os ciclos mudam!

11:48 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home